Total de visualizações de página

sábado, 11 de setembro de 2010

Aprendiz do Tempo

Gostava de mar, de acalanto

De versos, prosas, rosas



Agora sinto meu peito se apertar

Refém de uma semente encantada, ingrata

Que é regada todos os dias por

Quatro milhões de tempestades



Alguém olha de longe, agora

Mascarado,de olhos secos

De boca doce, com sutileza

Me tira os segundos, o chão



Me rouba o tempo, não mata

o que nasce

Permaneço eternamente entre

Minhas tempestades.

Fico só.

Um comentário:

  1. Perceber o tempo. Tem que aprender muito mesmo até esse ponto. rs

    ResponderExcluir